Fóssil mostra por que lagartos sem patas não são cobras

Parentesco entre lagartos sem membros e cobras é distante.
‘Cryptolacerta hassiaca’ viveu há 47 milhões de anos.

 

Fóssil do 'Cryptolacerta hassiaca', que mostrou aos cientistas que lagartos e cobras tëm origens diferentes (Foto: Nature / Reprodução)

Fóssil do 'Cryptolacerta hassiaca', que mostrou aos cientistas que lagartos e cobras tëm origens diferentes (Foto: Nature / Reprodução)

A descoberta de um fóssil pode mudar a maneira como os cientistas entendem a evolução das cobras. Um lagarto chamado Cryptolacerta hassiaca, que viveu há cerca de 47 milhões de anos, deu a primeira evidência anatômica neste sentido.

Um estudo publicado pela revista “Nature” concluiu que as cobras e os lagartos sem membros (da subordem Anfisbena) evoluíram separadamente. (…)

Leia a íntegra da matéria no G1

Zé Ruela

Chico

Chico faz assistência em um projeto de equoterapia que atende crianças da Pestalozzi. Ele é que faz a primeira integração do animal com as pessoas. E antes do cavalo ele quebra qualquer medo, insegurança ou trauma.

O projeto é comandado pela terapeuta Cândida Fernandes e merece sua visita.

A terapeuta Cândida Fernandes nos conta:

“Chico era filho da rua. Mas não de uma rua qualquer, mas de estradas e caminhos … da fazenda. E foi num hotel-fazenda de Vassouras que vi o Chico pela primeira vez. Naquela época ele andava pela cocheiras e brincando com as crianças que iam para esse Hotel. Isso até que uma noite, para defender uma das crianças de um gorila (infeliz brincadeira onde um animador se fantasia de gorila e as crianças fogem dele, Chico rosnou e mordeu o gorila. Ai o pessoal do hotel quis tirar ele de perto, achando que se ele mordia gorila ele um dia podia morder uma criança. Imagina… ele estava defendendo as crianças do gorila! Santo Chico! Mas para a minha sorte no dia seguinte fui ao hotel (pois faço atividades esporádicas lá) e soube da história… e quando vi o Chico… não tive dúvidas… ia comigo para o meu sítio. Mas para vir essa impressão deve ser recíproca… e então abri a porta do carro e ele puft… entrou. O nome dele era Spike. Mas achei que ele era um Zé ruela… um cachorro do Brasil. E então demos o nome simples de Chico. Ele pronto atendeu.”

“A inserção dele no trabalho de equoterapia se fez naturalmente. Percebemos o tempo dele e as prioridades de comunicação. E vimos que ele sempre sabia em quem chegar primeiro, as que tinham muito medo de animal, os que precisam de carinho e atenção. Sendo assim, convidamos ele a participar dos trabalhos no sitio, com o papel de fazer a primeira integração dos participantes com um animal. O chico se chega, encosta, deita no colo, fica ao lado em silencio.”

 

Chico tem casos de sucesso, como por exemplo o de Lucia, uma Down que morria de medo de qualquer animal. Chico fez com que ela perdesse o medo e até quisesse ter ele no colo. Ele abriu o caminho para os cavalos.

Chico é amado por todos… pacificador… e super companheiro.

Parabéns, Chico!

Parabéns, Cândida!

cor das penas dos dinossauros

Cientistas descobrem a cor das penas dos dinossauros

A pesquisa determinou que o dinossauro terópode – o grupo de bípedes carnívoros que teria evoluído para dar origem às aves – Sinosauropteryx tinha cerdas simples – precursores de penas – em anéis alternados alaranjados e brancos em sua cauda, e que o pássaro primitivo Confuciusornis tinha partes do corpo nas cores branca, preta e marrom alaranjado. Trabalhos futuros deverão permitir mapear as cores e padrões de todo o pássaro, diz nota divulgada pelos autores do trabalho.

Na nota, o professor de Paleontologia da Universidade de Bristol, Mike Benton, afirma que a pesquisa “oferece um vislumbre extraordinário da origem das penas“. Segundo ele, a descoberta ajuda a resolver um antigo debate sobre a função original das penas – se voo, isolamento térmico ou adorno. “Agora sabemos que as penas surgiram antes das asas, logo não surgiram como estruturas para auxiliar no voo“.

(íntegra no site do Estadão)

O Sinosauropteryx era bem pequeno, veja:

Sinosauropteryx_scale
(imagem: Wikimedia Commons)

Pássaros inteligentes atraem mais fêmeas

Os pássaros-cetim são conhecidos por seu complexo sistema de cortejar as fêmeas e a construção de elaborados ninhos, na forma de caramanchões.

Os machos passam horas construindo o ninho, que decoram por dentro com objetos coloridos e até flores. As fêmeas visitam os ninhos antes de escolher os machos.

“Os pássaros-cetim são o tipo de pássaro que faz você pensar que a expressão ‘cérebro de passarinho’ deveria ser usada como um elogio”, disse Jason Keagy, que liderou o estudo.

[íntegra na BBC]